Taiadablog: A Política: Participar diretamente ou não? Eis a questão... !!!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

A Política: Participar diretamente ou não? Eis a questão... !!!

Alguns amigos têm frequentemente falado comigo a respeito de meu ingresso e atuação em política. Gostariam de me ver disputando cargos eletivos em minha cidade natal, Caçapava, no Vale do Paraíba paulista. 
Na realidade estas sugestões ou mesmo cobranças surgiram já há alguns anos atrás, quando a diretora da escola onde lecionei por mais de 15 anos, que era então vereadora no município, numa breve conversa que teve comigo disse que esperava meu ingresso na vida pública, participando de eleições. Ressaltou que seria importante pois precisávamos de pessoas que tivessem idoneidade, um histórico de boas realizações, caráter, índole, conhecimento... Na época, como hoje, fiquei lisonjeado, é claro, e agradeci a recomendação.

Ontem, como hoje, pus-me a pensar sobre o assunto. Tanto lá como cá, as pessoas afirmam que reina na política, infelizmente, a corrupção, os desmandos, os abusos de poder, o legislar em causa própria, os aumentos de salários e comissões em benefício de si mesmo, as nomeações de parentes e tantos outros problemas. Neste sentido, buscam-se pessoas que se comportem de modo diferente, olhando não para si mesmas, mas percebendo o poder público como compromisso verdadeiro com a população. 

Cheguei, várias vezes, a ficar tentado a ingressar na vida pública. Na maioria das vezes, ao ser perguntado sobre isso, disse que o meu papel era o de ajudar a formar novas gerações de munícipes que poderiam fazer a diferença para o futuro da cidade, do estado e do país.

Tenho, como educador e no desempenho de todos os trabalhos que realizo, me esforçado para dar continuidade em ações que de algum modo auxiliem, estimulem e levem ao surgimento de pessoas que assumam a política em prol da coletividade e não de si mesmos ou de grupos de interesse.

Certa vez, quando perguntado por um grupo de amigos, disse a eles que pensava ser necessário ter um projeto para o município que fosse criado a partir do diálogo com a comunidade, indo aos bairros, percebendo os problemas diretamente a partir da fala do cidadão. Isso muito antes de qualquer eleição, num movimento espontâneo, de pesquisa e levantamento de dados, realizado por um grupo de pessoas engajadas e dispostas a doar seu tempo, iniciando um compromisso real com a população.

Estes encontros deveriam ser realizados regularmente, visitando os diferentes bairros, pelo menos dois por mês e, da coleta de dados e contato com as lideranças e munícipes, surgiriam documentos registrando tudo isso e servindo de base para que pudessem ser pensados e propostos projetos para resolver as questões mais prementes em cada região da cidade, sempre com o apoio de profissionais de ponta da cidade, que fariam parte de um conselho neste grupo e que posteriormente viriam a ser os secretários municipais numa eventual gestão.

Os dados seriam pensados e depois discutidos com a comunidade, trabalhados sempre de olho naquilo que é prioritário, procurando atender a todos os bairros, mas com pé no chão na gestão do dinheiro público, ou seja, pensando exatamente como cada centavo deve ser usado de modo a gerar impacto positivo para todos em educação, saúde, limpeza pública, transporte, cultura, habitação, saneamento, trabalho...

A transparência teria que ser a tônica desde o início e, depois de todas estas visitas, os documentos e planos gerados seriam compartilhados com a população e serviriam de base para o projeto de governo, registrado em cartório, a ser assumido como compromisso pelo candidato e seu grupo de apoio. Ao assumir um eventual governo, de posse dos dados e planos de ação, a conversa nos bairros permaneceria, o acompanhamento de serviços e obras seria uma constante, os desvios e a corrupção seriam combatidos com firmeza...

Continuei a lhes explicar, com mais detalhes, esta visão de política e, tenho certeza, muitos gostaram, assim como alguns acharam ser utópica...

Como o tempo passou e vários deles estão agora se mexendo para buscar ideias e alternativas para a política local, pensei em compartilhar estes ideais, utopias ou quem sabe, algum dia, projetos a serem realizados...

Quanto a candidatar-me a algum cargo eletivo? Esta é uma dúvida que ainda persiste...

Prof. Dr. João Luís de Almeida Machado
Membro da Academia Caçapavense de Letras

2 comentários:

jcflores disse...

Meu caro Dr. João Luiz: é de homens como o senhor que a política necessita, não só aqui na Taiada, como também em todas as cidades do pais. Ficaria satisfeitíssimo se o senhor pudesse disputar uma cadeira no legislativo local.
Vou mais longe: acho que se o senhor concorrer e ganhar, pode realmente se transformar num marco da moralização da política local!
Abraços,

José Victor disse...

Uma idéia brilhante e maravilhosa! Só uma pessoa com seu perfil, Dr. João, poderá dar o respaldo que a população necessita e quer! Conte com meu voto e os de meus familiares!