Taiadablog: Lalau, DI NOVO !!!

sábado, 16 de junho de 2012

Lalau, DI NOVO !!!





 

O Juiz Lalau pode receber de volta seis milhões de dólares congelados num banco suíço. Aos 84 anos, em prisão domiciliar em sua mansão no Morumbi, em São Paulo, pode se beneficiar do julgamento de ações penais de 2000.

A pedido do Ministério Público Federal, a corregedora nacional de Justiça Eliana Calmon quer agilizar o julgamento no Superior Tribunal de Justiça, de recursos em ações penais cujas denúncias foram oferecidas naquele ano. 

Favorecido pela idade, a prescrição penal em relação a Nicolau ocorre em dezembro, incluídos os novos recursos ao STJ e ao Supremo, porque o prazo de prescrição é reduzido pela metade quando o réu tem mais de 70 anos na data da sentença. Atualmente, de cinco crimes dos quais Nicolau foi acusado, três já prescreveram. 

E Lalau esteve esta semana no noticiário porque instalou câmaras de vídeo nos aposentos de sua mansão cedidos aos policiais federais que o vigiam.

2 comentários:

paulista2012 disse...

Certeza?
Sim, certeza absoluta!
Certeza, mesmo?
Absolula certeza, sim!

Para bandido eleito ou indicado, de toga ou sem toga, o crime sempre compensa.

Pudera, mesmo que esses bandidos não constituam maioria, as leis e escandalosas brechas são maquinadas por eles e aprovadas com o apoio dos omissos e "honestos ingênuos".

paulista2012 disse...

QUE PAÍS É ESSE?

É O PAÍS DAS LEIS "FAZ-DE-CONTA", ONDE QUEM ESTÁ "POR CIMA DA CARNE SECA" CONTINUA POR CIMA, E QUEM ESTÁ ABAIXO DE FIOFÓ DE COBRA CONTINUA ABAIXO...

"Governo carimba documentos como 'secretos' para driblar Lei de Acesso

Ministérios usam exceções para reclassificar papéis que antes tinham livre acesso a consulta


17 de junho de 2012 | 3h 08
ALANA RIZZO, RAFAEL MORAES MOURA , FÁBIO FABRINI - O Estado de S.Paulo

Para driblar a obrigação de divulgar dados públicos, imposta pela Lei de Acesso à Informação, o governo está reclassificando documentos como sigilosos. Antes de livre consulta, os papéis estão ganhando carimbo de reservados após a entrada em vigor da norma, em 16 de maio, sem justificativa legal, com o propósito de adiar a divulgação por até 25 anos."